O que fazer

As Aldeias comunitárias de Montesinho

A.Montesinho Group all rights reserved

A.Montesinho Group all rights reserved

A.Montesinho Group all rights reserved

A.Montesinho Group all rights reserved

 
 
 
 

No interior norte de Portugal, explore os montes e vales profundos que abrigam aldeias comunitárias do Parque Natural de Montesinho, em passeios pedestres, aviste espécies raras de fauna e flora e durma num antigo moinho de água.

    • Paisagem natural
    • Observação de aves
    • Gastronomia e vinhos
    • Desportos de aventura
    • Património
    • Descubra as cidades de Chaves, Miranda do Douro e Bragança
    • Veja as gravuras rupestres do Parque Arqueológico do Vale do Coa, um dos tesouros que se escondem em Trás-os-Montes e que estão espalhados por dezenas de quilómetros, num passeio de 2 horas
    • Faça escalada, aventure-se num voo de parapente e pratique canyoningrafting e canoagem nas serras da região 
    • Vai gostar de Rio de Onor, a aldeia luso-espanhola, que se divide a seguir à ponte sobre o rio, por uma árvore internacional e uma placa que indica a fronteira
    • Nas aldeias rurais do Parque Natural de Montesinho – ao todo são 92 –, a pastorícia continua a ser fonte de riqueza
    • Nas principais localidades, há empresas que organizam provas de orientação para si
    • A temperatura varia entre os 12º C negativos no inverno e os 40º C no verão

No interior norte de Portugal, explore os montes e vales profundos que abrigam aldeias comunitárias do Parque Natural de Montesinho, em passeios pedestres, aviste espécies raras de fauna e flora e durma num antigo moinho de água.

O Montesinho é uma mistura fantástica de riquezas naturais e de culturas antigas. Criado em 1979, é um dos maiores parques naturais dos 12 existentes em Portugal. Fica em Trás-os-Montes e abarca a parte norte dos concelhos de Bragança e Vinhais.

A aldeia que dá o nome ao Parque, Rio de Onor e Guadramil são aldeias que vivem em paz com a natureza e conservam a memória da vida rural. Nestas aldeias comunitárias, os locais mantêm o segredo da vida comunitária. Partilham o bem comum por todos e recebem de braços abertos os visitantes.

O forno a lenha, a eira, o moinho, o pasto e o boi de criação são utilizados pela comunidade e esta é uma tradição que tem muitos, muitos, anos. Antes de os romanos terem chegado a este território, já era assim.

Na aldeia de Rio de Onor, aquela que se encontra mais bem preservada e que é um território partilhado com Espanha – uma metade chama-se Rihonor de Castilla e a outra metade Rio de Onor, em Portugal –, essa herança social encontra-se bem viva.

Em relação à geografia de Montesinho, destacam-se os dois grandes maciços existentes, a Serra da Coroa (a oeste) e a serra que dá o nome ao Parque (a este). Percorra as serras tranquilamente a pé e de bicicleta ou comodamente de carro e descubra um território mágico, com 74.230 hectares e nove mil habitantes.

Dormir no Parque

Em pleno Parque Natural de Montesinho, existem, pelo menos, duas dezenas de unidades de turismo rural e de aldeia e casas de campo onde pode pernoitar em perfeita comunhão com a natureza.

Fique a dormir num antigo moinho de água, nas margens do rio Baceiro e num cenário campestre de frondosa vegetação e tranquilidade. Fica a 10 Km de Bragança, junto à ponte de Castrelo.

Outra opção é uma casa em xisto e madeira, que foi restaurada segundo a traça tradicional transmontana e adaptada ao turismo. Fica na aldeia de Gondesende, a 7 Km de Bragança. A casa de granito com telhado de xisto é tradicional nestas aldeias rurais, locais tranquilos onde se pratica a transumância.

O Parque de Campismo de Cepo Verde, junto à mesma aldeia, é uma alternativa para quem gosta de acampar. O local é calmo, tem sombra natural de castanheiros e uma vista fantástica.

Ficar num hotel ou na Pousada da Juventude em Bragança é outra possibilidade.

Atividades

Faça escalada, aventure-se num voo de parapente e pratique canyoningrafting e canoagem nas serras imponentes de Trás-os-Montes.Teste o seu sentido de orientação nas paisagens belas e agrestes da região transmontana.

Passe um dia divertido, aliando o exercício físico à verdadeira sensação de liberdade e paz de espírito proporcionadas pelo contacto com a natureza envolvente. Nas principais localidades, há empresas que desenham programas de orientação à medida de quem as procura.

Se gosta de aventuras menos radicais, tire uma manhã para um descontraído passeio de bicicleta pela região, desafie um amigo para uma partida de ténis ou entre numa montada ao javali.

Observe as espécies que habitam o Parque, como a lontra e o gato-bravo. Mais de 150 espécies de aves – num universo de 240 de vertebrados – cruzam os céus de Montesinho, fazendo-lhe companhia no seu passeio de exploração. Olhe para o céu. Poderá ver belos exemplares da águia real e outras aves de rapina.

Os produtos locais e os sabores da gastronomia local merecem uma nota final. Na Loja Montesinho Vivo, gerida pela associação de defesa e promoção do Parque, é possível comprar – no local ou encomendando online – mel de Montesinho, sabonetes de azeite e mel feitos artesanalmente por produtores locais e um mapa e guia desta área protegida.

À mesa, delicie-se com o mel de Montesinho e a carne de vaca mirandesa. São produtos de qualidade reconhecida. Não deixe de brindar aos bons momentos com um copo de vinho tinto, já que está na região por onde corre o rio Douro.

Como Chegar

Para o Porto, há voos de Bremen, Düsseldorf, Frankfurt, Karlsruhe, Munique, Dortmund, Zurich, Liverpool, Londres, Bordéus, Carcassone, Dole, La Rochelle, Lille, Lyon, Marselha, Nantes, Paris, Rodez, St. Etienne Toulouse, Tours, Barcelona, Madrid, Palma de Maiorca, Valência, Bolonha, Milão, Pisa, Roma, Copenhaga, Bruxelas, Amesterdão, Eindhoven, Rio de Janeiro, São Paulo e Nova Iorque.

Do Aeroporto Internacional Francisco Sá Carneiro, a melhor forma de chegar ao centro da cidade do Porto é de metro. A viagem dura cerca de 30 minutos.

Do Porto, apanhe a A4 em direção a Amarante e depois tome o IP4 em direção a Bragança, no coração de Trás-os-Montes.

Onde fica

Comentários