O que fazer

Trás-os-Montes: Entre o sagrado e o profano

Associação de Turismo do Porto CC BY-NC-SA 3.0

Dos vestígios da ocupação romana às construções medievais, Trás-os-Montes oferece um património edificado riquíssimo, que, só por si, faz valer a pena a visita à região.

    • Gastronomia e Vinhos
    • Património
    • Paisagem natural
    • Visite Miranda do Douro, conhecida pelo seu folclore colorido e animado, onde sobressaem os Pauliteiros, e pelo Mirandês, uma língua que só se fala nesta região
    • Retempere forças nas termas da região
    • Aprecie a paisagem num passeio de balão de ar quente ou, se preferir adrenalina, faça parapente na Serra do Larouco
    • De passar o Carnaval na região: desfiles diabólicos de caretos, matrafonas e facanitos, leituras de testamentos, julgamentos públicos e pulhas casamenteiras são algumas das tradições do Entrudo em Trás-os-Montes
    • De assistir, em Bemposta, ao ritual do Chocalheiro
    • De visitar o Ecomuseu de Barroso, em Montalegre
    • Macedo de Cavaleiros recebe a Feira da Caça no último fim-de-semana de janeiro e o Festival Internacional de Música Tradicional na primeira sexta-feira e sábado de setembro
    • De dois em dois anos, em dezembro, acontece o Mascararte
    • Bienal da Máscara em Bragança

A religiosidade faz parte da natureza dos transmontanos e mistura-se em várias celebrações com a magia e a superstição.

As gentes dos Trás-os-Montes admitem com a mesma certeza a existência de Deus e do demónio, das bruxas, videntes, santos e espíritos.

As festas religiosas da região afirmam a presença de uma entidade divina na vida, mas também as comunidades locais, enquanto forças vivas. E atraem família, amigos e estranhos.

Conheça este recanto de Portugal onde o sagrado e o profano andam de mãos dadas e as gentes abrem a casa, a adega, a cozinha e a caixa do pão e presunto aos visitantes!

O Entrudo

Viva o verdadeiro carnaval tradicional e mergulhe num mundo mágico nos Entrudos de Lazarim (Lamego), Vinhais (Vinhais) e Podence (Macedo de Cavaleiros).

Nas festividades carnavalescas de Podence, por exemplo, os “caretos” saem todos os anos à rua representando imagens diabólicas e misteriosas.

Surgem em magotes, de todos os sítios, silvando e fazendo barulho com os seus frenéticos chocalhos, cruzados nas franjas coloridas das suas grossas mantas. Percorrem a aldeia desenfreadamente e não deixam ninguém indiferente.

Os mascarados correm atrás das raparigas solteiras e são perseguidos pelos rapazes mais novos, os “facanitos”, que os tentam imitar. Elas assistem a tudo das janelas ou varandas das suas casas, com um misto de entusiasmo e receio de que os rapazes trepem as paredes das casas.

Esta é uma festa fantástica e fascinante, plena de sedução e mistério.

Em Macedo de Cavaleiros, prove os enchidos de porco com grelos, o javali estufado com castanhas e cogumelos, o arroz de perdiz e o pudim de castanha.

Menos conhecia é a tradição do Chocalheiro de Bemposta, em Mogadouro. Também é uma das mais fortes em Trás-os-Montes. A figura aparece no dia 26 de Dezembro e depois no dia de Ano Novo. Há quem diga que é o diabo, mas a verdade é que é o chocalheiro que faz a recolha de fundos para a igreja.

Estes rituais do solstício de inverno têm um profundo significado mitológico. São ritos de iniciação cuja origem se perde no tempo.

Terra de curandeiros

Se visitar a região em setembro, passe por Vilar de Perdizes, terra onde toda a gente é curandeiro de si próprio, da sua família, dos seus amigos e vizinhos. Em Trás-os-Montes, a medicina popular e o poder das ervas medicinais têm uma importância que não se vê em nenhuma outra região portuguesa.

O Congresso de Medicina Popular de Vilar de Perdizes junta o sagrado ao profano há mais de 25 anos e é já um dos cartazes de maior visibilidade do concelho transmontano de Montalegre.

Aproveite para comprar ervas medicinais e licores e explore a aldeia, que, à boleia do congresso, oferece um conjunto interessante de restaurantes, cafés, residenciais e hotéis rurais.

Em Terras de Barroso, para além da paisagem natural a serra domina o postal e das tradições, atente à gastronomia. É daqui a famosa carne de vitela barrosã: as vacas alimentam-se em prados cuidados enquanto passeiam por montes e vales. Neste cantinho de Trás-os-Montes, também vale a pena visitar Paredes do Rio, uma aldeia à antiga.

Sexta-feira 13

Também em Montalegre, sempre que há uma sexta-feira dia 13, há Noite de Bruxas.

Uma multidão de gente assiste a espetáculos pirotécnicos, números de acrobacia, exorcismo, precursão e manobras de fogo. A festa já assumiu uma dimensão tal que a organização conta com figurantes de fora do concelho.

Vai ouvir falar da afamada “queimada do padre Fontes”. Não estranhe- O pároco António Fontes, o impulsionador do congresso de Vilar de Perdizes, esconjura uma bebida feita de aguardente queimada com açúcar, que promete espantar todos os males. Experimente!

Outro produto associado à Sexta-feira 13 é o afamado “vinho dos mortos”, produzido no concelho vizinho de Boticas. Em 1807, quando as tropas francesas, invadiram pela segunda vez Portugal, as gentes locais esconderam o que conseguiram e o vinho foi enterrado no chão das adegas, no saibro, debaixo das pipas e dos lagares.

O famoso cozido à moda do Barroso, os enchidos, o presunto, e o mel de Barroso são outras iguarias que pode provar na região.

Como Chegar

Para o Porto, há voos low cost, por exemplo, de Londres (Stansted e Gatwick), Paris (Beauvais, Orly, Vatry e Charles de Gaulle), Marselha, Lille, Tours, St. Etienne, Bolonha, Bordéus, Lion, Toulouse, Madrid, Barcelona El Prat, Tenerife, Valencia e Palma de Maiorca.

Apenas no verão, há companhias low cost a voar de Liverpool, Las Palmas, Carcassonne, Rodez e Nantes.

Com tarifas normais, há ligações aéreas a partir de Londres Gatwick, Madrid, Barcelona e Paris Orly.

Do Aeroporto Internacional Francisco Sá Carneiro, a melhor forma de chegar ao centro da cidade do Porto é de metro. A viagem dura cerca de 30 minutos.

Do Porto, apanhe a A4 em direção a Amarante e depois tome o IP4 em direção a Bragança, no coração de Trás-os-Montes.

Onde fica

Comentários